Palestinos e soldados israelenses voltam a ser enfrentar na fronteira Gaza

Palestinos e soldados israelenses voltam a ser enfrentar na fronteira Gaza

Palestinos e soldados israelenses voltam a ser enfrentar na fronteira Gaza

Autoridades do departamento de saúde de Gaza afirmaram que 7 palestinos morreram e mais de 1.000 ficaram feridos.

O sindicato de jornalistas palestinos afirmou que outros cinco repórteres - todos identificados pelo colete - ficaram feridos na sexta-feira.

O ministério não identificou o palestiniano que morreu no hospital Chifa na cidade de Gaza.

"Os Estados Unidos pedem encarecidamente aos líderes dos protestos que comuniquem em alto e bom som aos manifestantes que devem marchar pacificamente e se abster de qualquer forma de violência", declarou Jason Greenblatt, enviado de Washington à região.

Acampamentos de tendas surgiram a algumas centenas de metros da cerca de 40 quilômetros, e centenas de jovens se aproximam ainda mais para atirar pedras em soldados de Israel e lançar pneus em chamas contra a barreira.

O embaixador da Palestina acrescentou que tais decisões de Washington permitem ao exército israelense continuar a "pressão" contra os civis palestinos.

Ricciardo sets the pace in first practice session
If there was a race in which McLaren did not need to be beaten by Toro Rosso at the start of the season, Bahrain is probably it. Hamilton remains on course, though, to equal Raikkonen's record of 27 consecutive finishes in the points.

Justiça alemã rejeita acusação de rebelião contra líder catalão Puigdemont
Porém, mesmo com a exclusão do julgamento pelo crime de rebelião, Puigdemont ainda pode ser extraditado pelo delito de corrupção. Por enquanto não há detalhes de quando Puigdemont sairá da prisão de Neumünster (no norte da Alemanha).

Laboratório não acha provas de que gás neurotóxico procede da Rússia
O responsável pelo laboratório militar que analisou a substância adiantou à Sky News que a "origem precisa" do agente químico não foi identificada, não conseguindo, assim, provar que era russo .

O exército israelense utilizou armas contra os participantes mais agressivos, o que resultou em, ao menos, 10 mortos entre os manifestantes.

Os militares israelenses posicionaram atiradores de elite de seu lado da fronteira para impedir que palestinos tentem romper a cerca que dá acesso a seu território.

O dia 30 de março foi o mais violento desde a guerra de 2014 entre Israel e o grupo radical Hamas, que controla a Faixa de Gaza.

Na sexta-feira, quando ficou conhecida a existência dos mortos, a Palestina exigiu uma reação do Conselho de Segurança da ONU face à atuação das tropas israelenses durante os protestos ocorridos na fronteira de Gaza com Israel.

Israel advertiu na quinta-feira que suas ordens de disparo aplicadas nas manifestações de 30 de março continuariam as mesmas durante os novos protestos, apesar das críticas da ONU e da União Europeia pelo uso de munição letal.

O embaixador palestino na ONU, Riyad Mansur, denunciou que Israel está cometendo um "massacre" e criticou os seus dirigentes por desrespeitarem os apelos à moderação por parte da comunidade internacional.

Related news