Schulz abandona a liderança do SPD para assumir a diplomacia alemã

Schulz abandona a liderança do SPD para assumir a diplomacia alemã

Schulz abandona a liderança do SPD para assumir a diplomacia alemã

A antiga ministra do Trabalho, que não quis participar na nova coligação governamental, poderá ser a primeira mulher a a dirigir o mais antigo partido da Alemanha.

A última etapa deve ser a aprovação dessa parceria pelos mais de 460 mil membros do SPD, que votam por correio nas próximas semanas. O resultado será divulgado a 4 de março. A imprensa alemã sugere que diversos dos cargos de alto escalão do governo irão para o rival SPD, incomodando aliados na CDU.

O líder do partido bávaro aliado da CDU, a União Social-Cristã (CSU), Horst Seehofer, crítico do acolhimento pela Alemanha de centenas de milhares de refugiados, fica à frente do Ministério do Interior, ao qual quer acrescentar a designação "e da Pátria". O objetivo seria formar um governo confiável e, assim, estabelecer as condições para que se possa continuar vivendo de maneira próspera e segura no país, disse. É uma mensagem que não devia ser exclusiva da Alemanha e dos líderes alemães.

Horas antes, ao lado de Angela Merkel, o líder do SPD congratulou-se com o acordo alcançado, preferindo focar-se nas repercussões internacionais do acordo. Já Schulz afirmou que o acordo marca "uma mudança fundamental de direção na Europa". Nas páginas do acordo firmado esta quarta-feira, o capítulo "Um novo impulso para a Europa" ocupa lugar de destaque.

Os assuntos mais polêmicos e difíceis da tratativa, como a questão de uma reforma na saúde e dos imigrantes, foram acertados.

Dado Dolabella é preso novamente em São Paulo
Segundo reportagem da TV Globo, policiais disseram que o ator não resisitu à prisão e chorou ao chegar na delegacia. Em agosto do ano passado, Dado foi preso pelo mesmo motivo, mas conseguiu a liberdade através de liminar.

Kylie Jenner já é mãe

Lucas Moura assina pelo Tottenham até 2023
Nos últimos dias, o brasileiro não fazia questão de esconder o incômodo por ser pouquíssimo utilizado pelo técnico Unai Emery . Inicialmente, o PSG pedia 40 milhões de euros para liberar o ex-São Paulo, que disputou apenas seis partidas nesta temporada.

Segundo o cientista político Albert vob Lucke, "Angela Merkel saiu derrotada" por ter cedido ministérios-chave, como o das Finanças, há nove anos nas mãos dos conservadores, aos social-democratas.

Todos os 91 negociadores devem se reunir às 14h (hora local) para dar o sinal verde ao acordo, disseram negociadores. E admitiu que muitos elementos da ala conservadora "não vão ficar felizes com a decisão de entregar o Ministério das Finanças" ao SPD, que nas eleições de Setembro obteve apenas 20,5% dos votos, o pior resultado desde a Segunda Guerra Mundial.

No entanto, apesar das concessões, Merkel mostrou-se convicta que o acordo firmado esta quarta-feira permite a formação de uma boa solução governativa.

Um dos temas-chave sobre os quais ambas as partes chegaram a acordos durante as negociações, iniciadas em 26 de janeiro, incluem a política energética.

Related news