Operação Lex: Rangel só conhece medidas de coacção no dia 14

Operação Lex: Rangel só conhece medidas de coacção no dia 14

Operação Lex: Rangel só conhece medidas de coacção no dia 14

O juiz desembargador Rui Rangel, implicado na Operação Lex, só vai conhecer as medidas de coação na próxima quarta-feira.

João Nabais, advogado de Paulo Rangel, falou aos jornalistas na pausa para a hora de almoço e garantiu que será tomada uma decisão sobre a prestação ou não de declarações, em função daquilo que se possa ou não ver do processo.

Nabais recusou-se a divulgar as medidas propostas pelo Ministério público, dizendo que estava proibido de o fazer porque o inquérto se encontra em segredo.

Em declarações ao Observador, o advogado de Fátima Galante, Paulo Sá e Cunha, explicou que a defesa pediu mais um dia útil para responder às medidas de coação proposta pelo MP, o que será na segunda-feira. Pires da Graça, o juiz que no Supremo Tribunal foi responsável por conduzir o interrogatório aos dois arguidos, revelará na quarta-feira às 17:00 as medidas de coação a aplicar. Galante e Rangel, os dois juízes desembargadores no Tribunal da Relação de Lisboa estão indiciados por corrupção/recebimento indevido de vantagens, branqueamento, tráfico de influência e fraude fiscal.

Segovia fala sobre arquivamento de inquérito contra Temer — Entenda
O dirigente havia dito que as investigações da Polícia Federal não encontraram provas de irregularidades. Na entrevista, o diretor-geral da PF diz que o decreto editado "em tese não ajudou a empresa".

Estes são os 157 novos emojis a caminho do seu smartphone
O pacote será liberado em junho e, a partir de então, os desenhos serão customizados pelas plataformas de Android e iOS. E aí, qual o seu favorito da lista divulgada nesta semana?

ProTEJO alerta para a incompetência da Inspeção-Geral do Ambiente
Dos dados já conhecidos, só os resultados da ETAR de Abrantes é que revelam incumprimentos em relação aos níveis de carência bioquímica e química de oxigénio e de sólidos suspensos totais.

Na Operação Lex são também arguidos o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, o vice-presidente do clube da Luz Fernando Tavares, bem como o ex-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, João Rodrigues.

Os magistrados não foram detidos pela PJ porque a lei não permite, por isso foram notificados para comparecer no Supremo Tribunal de Justiça para aplicação de medida de coação esta quinta-feira.

Cinco arguidos foram mesmo detidos - os advogados Jorge Barroso, José Santos Martins e Bernardo Santos Martins, o oficial de Justiça Octávio Correia e Rita Figueira, ex-mulher do juiz Rui Rangel.

Na operação, desencadeada a 30 de janeiro, foram realizadas 33 buscas, das quais 20 domiciliárias, nomeadamente ao Sport Lisboa e Benfica, à casa de Luís Filipe Vieira e dos dois juízes e a três escritórios de advogados.

Related news