"Nova" reforma da Previdência será caixinha de surpresas, definida no plenário

"Nova" reforma da Previdência será caixinha de surpresas, definida no plenário

Segundo Maia é possível votar a reforma dia 20 mesmo iniciando a discussão da PEC apenas no dia 19, uma segunda-feira, quando normalmente o quórum da Câmara é baixo. "Agora, é torcer para que o próximo presidente tenha a coragem de enfrentar esse tema tão polêmico, mas muito importante para o futuro do país", afirma. O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, tem dito que no momento a reforma tem o apoio de cerca de 270 deputados. Temos dois problemas graves: a falta de votos e a falta de tempo. Para o texto ser aprovado, precisa dos votos de 308 dos 523 deputados e de 49 dos 81 senadores. Embora o texto do relator não apresente grande alterações, mantendo somente as mudanças negociadas com a base do governo em dezembro do ano passado, o ministro alegou que a "nova versão" pode ajudar a esclarecer os parlamentares e a população. "O governo, de sua parte, vai cumprir o calendário que foi estipulado, que é até o final de fevereiro, até 28 de fevereiro, para que possamos construir aqui na Casa o ambiente de votação", disse Aguinaldo Ribeiro. Nos bastidores, o Palácio do Planalto e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), travam uma disputa para transferir a culpa pela não aprovação da reforma. Novas regras para os servidores públicos que entraram na carreira antes de 2003 é uma das pautas dos parlamentares ligados ao funcionalismo.

"Isso [reivindicações de setores por mudanças na reforma] são pontos colocados e não estão impedidos de constarem no texto".

O relator informou que o novo texto vai manter mudanças que já tinham sido acordadas, entre elas, a exclusão de qualquer alteração nas regras para aposentadoria de trabalhadores rurais e de concessão do chamado Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a idosos e pessoas com deficiência carentes. "Não adianta fazer concessão para quem está contra a reforma", afirmou o deputado. A versão inicial do texto foi sancionada na comissão especial da Câmara em maio de 2017. A mudança mais recente, divulgada por ele nesta terça-feira (6), prevê pensão integral para cônjuges de policiais mortos em ação.

Para conseguir apoio de policiais, o relator também incluiu no texto final a proposta de pensão integral para viúvos e viúvas de policiais mortos em combate. Antes de Maia, foi a vez do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles almoçar com os investidores convidados pelo banco.

Marquezine revela presente para Neymar e craque entrega: 'Estou casado'
O modelo, cheio de recortes e costas nuas, deixou o corpo escultural da atriz à mostra, sem perder a elegância. O DJ brasileiro Alok também se apresentou e colocou os convidados para dançar na pista de dança.

Pai de três vítimas tenta agredir Larry Nassar durante o julgamento
Então o pai correu até pedófilo para atacá-lo, mas foi detido pelas autoridades antes que ele pudesse alcançar Nassar. A nova negativa da juíza fez Margraves perder a cabeça e partir para cima de Nassar, com muitos gritos e xingamentos.

Rui Rangel não compareceu às sessões no Tribunal da Relação
Contudo, a nota não especifica qual dos dois advogados detidos é que foi alvo da caução. Na investigação, o Ministério Público é coadjuvado pela Polícia Judiciária.

Insistindo nos argumentos que tem utilizado desde que iniciou a campanha pela aprovação da reforma da Previdência Social, Temer disse que está pensando "no próximo governo" e que, caso a reforma não seja aplicada agora, aposentados correrão o risco de sofrerem com "corte em suas aposentadorias".

- Fizemos um apelo ao presidente Maia no sentido de que é melhor para o Brasil que ele retire a reforma da pauta. "Vamos trabalhar para ter votos".

Participaram da reunião; além da Força Sindical e da CUT, representantes da Nova Central Sindical de Trabalhadores; União Geral dos Trabalhadores (UGT) e Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB).

Related news