Arrecadação federal fecha 2017 com o maior crescimento real em 4 anos

Arrecadação federal fecha 2017 com o maior crescimento real em 4 anos

Arrecadação federal fecha 2017 com o maior crescimento real em 4 anos

Depois de três anos registrando queda, a arrecadação federal voltou obter um crescimento real.

Dezembro foi o melhor desde 2014, quando registrou R$ 138,9 bilhões. No ano passado, no entanto, os novos parcelamentos arrecadaram R$ 26 bilhões e, no total, todos os programas superaram o valor arrecadado em R$ 19,809 bilhões. Já a alta dos tributos dos combustíveis engordou os cofres federais em R$ 5,7 bilhões, também em valores corrigidos pelo IPCA.

Entre os maiores volumes de recursos capitados, estão a receita previdenciária (R$ 407 bilhões), Cofins e PIS-Pasep (R$ 281,1 bilhões) e Imposto de Renda Sobre Pessoa Jurídica (R$ 191,7 bilhões).

Brasil: Lula da Silva mantém candidatura presidencial às eleições de outubro
Se pensam que história termina com a decisão de hoje, estão muito enganados, porque não nos rendemos diante da injustiça . Na mesma nota, o PT informou que registrará em 15 de agosto a candidatura de Lula à Presidência da República.

Incêndio em hospital mata 41 e deixa 70 feridos
A principal suspeita por enquanto é que tenha ocorrido um curto circuito na sala de emergência. As chamas afetaram um edifício de seis andares, que abriga o hospital e um asilo.

BBB18: "Vai ter um homem trans, tipo Thammy", afirma ex-participante
No primeiro dia da família na casa, as polêmicas ficaram focadas na relação entre o pai, Ayrton, seu sobrinho e sua filha. A primeira polêmica que ganhou as redes sociais foi em torno de uma família inteira de participantes.

O chefe do Centro de Estudos Tributários da Receita Federal, Claudemir Malaquias, disse que, apesar do reforço representado pelos pagamentos do Refis em 2017, o órgão perderá arrecadação no futuro com o programa.

"Após o longo período recessivo, 2017 é o primeiro ano em que a arrecadação apresenta recuperação em relação ao período anterior", concluiu.

Impulsionadas pelo aumento da produção de petróleo e pela recuperação do preço do produto no mercado internacional, as receitas não administradas pelo Fisco somaram R$ 36,945 bilhões em 2017, com alta de 46,42% acima da inflação em relação a 2016.

Related news