EUA e Seul iniciam manobras aéreas em reação à Coreia do Norte

EUA e Seul iniciam manobras aéreas em reação à Coreia do Norte

EUA e Seul iniciam manobras aéreas em reação à Coreia do Norte

Os Estados Unidos e Coreia do Sul iniciaram esta segunda-feira o mais importante exercício aéreo conjunto, alguns dias após o disparo de um novo míssil norte-coreano.

Com o mesmo tom adotado anteriormente, o texto chama a vizinha Coreia do Sul de "marionete" dos Estados Unidos.

O exercício de cinco dias foi batizado de Vigilant Ace, envolve mais de 230 aviões, incluindo caças F-22 Raptor, e mobiliza dezenas de milhares de soldados.

O jornal Rodong do Partido único no poder na Coreia do Norte denunciou essas manobras. A iniciativa é realizada menos de uma semana após a Coreia do Norte testar seu míssil mais avançado até o momento.

O regime de Kim Jong-un condenou duramente as manobras, inclusive antes de começarem, por meio de um comunicado divulgado pela agência estatal, a KCNA.

STJD concede efeito suspensivo apenas para Felipe Vizeu
O Superior Tribunal de Justiça Desportiva aceitou parcialmente o pedido de efeito suspensivo realizado pelo Flamengo . Já Vizeu sofreu uma sentença de quatro jogos por ato desleal e conduta contrária à disciplina.

Senado dos EUA adota grande reforma fiscal de Donald Trump
As discussões começarão, provavelmente na próxima semana, entre o Senado e a Casa dos Representantes, que já aprovou sua versão da lei fiscal.

Economia do Brasil cresce 0,1% no terceiro trimestre do ano
O indicador de empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada, porém, registrou crescimento. Além do nível de desemprego, a Pnad Contínua também avaliou o rendimento médio habitual.

Embora aconteçam a cada dois anos, os exercícios aéreos começaram uma semana depois que Pyongyang lançou um novo míssil balístico intercontinental, capaz de atingir "todo o território norte-americano", segundo o regime de Kim Jong-Un.

Apesar das constantes ameaças, os norte-coreanos acusam o presidente americano, Donald Trump, de incitar uma guerra nuclear.

Durante as manobras os aliados simularão ataques sobre falsas instalações nucleares sul-coreanas e plataformas autopropulsadas como as que o regime de Pyongyang usa para posicionar seus mísseis. "Se houver um teste nuclear subterrâneo, será necessário se preparar para uma resposta muito séria dos Estados Unidos", alertou o congressista republicano à rede CBS.

As palavras de Graham se somaram às do assessor de Segurança Nacional de Trump, o general H.R. McMaster, que durante um fórum sobre defesa afirmou que a probabilidade de uma guerra com a Coreia do Norte "aumenta a cada dia". Ele defendeu que a Casa Branca aconselhe os americanos a deixarem a Coreia do Sul.

Related news