Temer define novo diretor-geral da PF

Temer define novo diretor-geral da PF

Temer define novo diretor-geral da PF

O delegado Fernando Segóvia assume o cargo de diretor-geral da instituição, substituindo Leandro Daiello, que estava no posto desde 2011.

Formado em direito pela Universidade de Brasília, Segóvia está há 22 anos na PF. Foi superintendente regional da PF no Maranhão e adido policial na África do Sul.

Segóvia será formalmente apresentado ao presidente em audiência na tarde desta quarta, acompanhado do ministro da Justiça, Torquato Jardim.

O presidente Michel Temer (PMDB) definiu o nome do delegado Fernando Segóvia como diretor-geral da Polícia Federal (PF).

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 19 milhões
As apostas, que custam R$ 3,50, serão recebidas pelas Casas Lotéricas até às 19 horas do mesmo dia do sorteio. Ou, se preferir, pode comprar 40 imóveis de R$ 400 mil cada, ou uma frota de 530 carros populares.

Maia diz que governo precisa urgentemente reorganizar a base
Sustentou que, mesmo faltando apenas quatro semanas para o fim do ano legislativo, é possível concluir a votação até dezembro. Segundo o ministro, a reforma é necessária e deverá ser feita.

Coisa Mais Linda: Netflix anuncia série original ambientada no Brasil
A Netflix anunciou a produção de uma nova série original brasileira chamada 'Coisa Mais Linda' . A produção será feita em parceria com a Prodigo Films e as gravações devem começar em 2018.

O Planalto chegou a cotar Rogério Galloro, número 2 de Daiello, que chegou a ser fotografado em um almoço com Torquato e o diretor-geral. Em setembro, a coluna Radar On-Line noticiou que Fernando Segóvia, graças ao período que passou no Maranhão, era o nome favorito da alta cúpula do PMDB, em especial do ex-presidente José Sarney (PMDB), para o comando da PF. Sarney, à coluna, negou a informação.

Na nota, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, faz um agradecimento pessoal e institucional a Daiello por sua "competente e admirável administração da Polícia Federal nos últimos seis anos e dez meses".

Daiello, afinado com a Lava Jato, saiu a pedido dele, que alegou cansaço. O anúncio oficial foi dado hoje pelo Ministério da Justiça. A ADPF (Associação Nacional de Delegados da Polícia Federal) não reconhece a legitimidade da lista tríplice que levou ao nome de Segóvia. Os eleitos por mais de 1,3 mil delegados haviam sido Erika Marena, Rodrigo Teixeira e Marcelo Freitas.

Segóvia tem larga experiência em inteligência de fronteiras, questão considerada prioritária pelo governo no combate ao crime organizado.

Related news