Progressões nas carreiras no Estado vão ser em quatro prestações

Progressões nas carreiras no Estado vão ser em quatro prestações

Progressões nas carreiras no Estado vão ser em quatro prestações

O Governo chegou a acordo com o PCP para garantir que 50% das progressões nas carreiras dos funcionários públicos avançam já em 2018. Mas o benefício para o conjunto dos trabalhadores pouco varia, de acordo com as contas feitas pelo Observador.

Ou seja, os trabalhadores em condições para progredir serão colocados em 2018 na posição remuneratória a que têm direito, mas recebendo apenas uma percentagem do valor que lhes é devido, sendo o restante pago depois.

A primeira proposta do Executivo previa que o descongelamento de carreiras se fizesse em quatro anos - 25% por ano - terminando o processo em 2021.

Costa anuncia Conselho de Ministros para analisar relatório de Pedrógão
Costa diz que ainda não teve oportunidade de analisar o documento em detalhe, pelo que não pode "tirar conclusões definitivas". Iremos tirar todas ilações que temos a tirar e assumiremos as responsabilidades.

Madrasta de Isabella Nardoni deixa presídio na 'saidinha' de Dia das Crianças
Com a saída, ela aproveitará para passar o Dia das Crianças com os dois filhos, de 10 e 12 anos, que moram com os familiares. De acordo com informações doG1, essa é a primeira vez que a detenta deixa a prisão desde a concessão do regime semi aberto .

"Is That For Me": Próximo single da Anitta terá parceria com Alesso
A própria cantora confirmou a notícia hoje, durante a gravação do programa Altas Horas (via GShow ). Anitta confirmou que o novo single do " Check Mate " será uma parceria com o DJ Sueco Alesso .

O PCP diz ter obtido acordo do executivo socialista para descongelamento das carreiras na função pública de forma mais rápida do que aquilo que pretendia o Governo.

A informação está a ser avançada por diversos meios de comunicação social, como o Expresso e a TVI, que explicam que o Governo vai avançar em 2018 com um pagamento de 50% e não de 33%, conforme estava previsto inicialmente. Além disso, não se sabe ainda se este acordo acautelou o pagamento de um valor mínimo aos trabalhadores que ganham menos, tal como chegou a ser negociado com os representantes dos funcionários públicos.

Pelo menos mais de 115 milhões do custo acrescido desta medida será deixado para o Orçamento de 2020, já na próxima legislatura.

Related news