Cabral é condenado a 13 anos de prisão por lavagem de dinheiro

Cabral é condenado a 13 anos de prisão por lavagem de dinheiro

Cabral é condenado a 13 anos de prisão por lavagem de dinheiro

Desta vez, o juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio, o condenou a 13 anos de reclusão, em regime fechado, pelo crime de lavagem de dinheiro, no âmbito da Operação Mascate.

Esta é a terceira condenação de Sérgio Cabral. O ex-governador foi condenado pelo juiz Sergio Moro a 14 anos de prisão na Lava Jato, a 45 anos pelo juiz Marcelo Bretas na Operação Calicute e, agora, 13 anos nos crimes investigados na Operação Mascate.

O inquérito investiga suposto esquema de lavagem de dinheiro por meio de empresas de fachada para dar aparência de legalidade a dinheiro de propina.

Temer exonera oito ministros para ampliar apoio contra denúncia na Câmara
Com os valores recorde, aproximadamente R$ 6,4 bilhões já estão comprometidos para as emendas de parlamentares e bancadas. E, dessa forma, os ministros que voltaram à Casa poderão fazer essas indicações de verba para as suas bases.

Mbappé, Cavani e Neymar sobram na Champions
O resultado manteve o PSG com 100% de aproveitamento e na liderança do Grupo B, somando nove pontos após três jogos. Depois que sofreu o primeiro gol, o Anderlecht partiu para o ataque e por pouco não conseguiu empatar a partida.

Microsoft Releases New Versions Of Windows 10 And Server
Microsoft has also redesigned the email list UI with changes that improve the design to look more sleek and modern. Microsoft would prefer for you to wait for the Fall Creators Update to roll out to your device.

Somadas as três sentenças, Cabral tem 72 anos de prisão para cumprir, se as penas forem mantidas em outras instâncias.

Durante o depoimento, a ex-secretária pessoal de Cabral, Sonia Ferreira Baptista, explicou que se reportava a Carlos Miranda, que ordenava os pagamentos necessários, inclusive para a ex-esposa de Cabral. Ele afirma ainda que o ex-governador, "apesar de tamanha responsabilidade social, optou por agir contra a moralidade e o patrimônio públicos, empenhando sua honorabilidade para seduzir empresários e pessoas de seu relacionamento íntimo, parentes ou não, a falsear operações empresariais e promover atos de lavarem ou branqueamento de valores".

O ex-governador, que é réu em 16 processos, está preso desde novembro do ano passado.

Related news