Putin não aceita suspender exportações de petróleo à Coreia do Norte

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) terá daqui a pouco, às 10h (11h em Brasília), uma reunião de emergência para avaliar o teste nuclear com uma bomba de hidrogênio realizado pela Coreia do Norte realizado na madrugada desse domingo (3).

Na segunda-feira, os EUA pediram "as medidas mais duras possíveis" contra a Pyongyang.

Os programas "nuclear" e "balístico" da Coreia do Norte "representam uma ameaça clara à segurança e à paz internacionais", destaca o texto redigido pelos Estados Unidos.

Estados Unidos, China, Rússia, Japão, Coreia do Sul, França, Otan e União Europeia condenaram o teste.

Para sair da crise, a Rússia propõe passar das sanções ao diálogo.

Em 5 de agosto, o Conselho aprovou por unanimidade uma resolução com novas sanções econômicas contra a Coreia do Norte pelos seus testes nucleares e balísticos.

Fachin homologa delação do operador Lúcio Funaro
Havia a expectativa inicial de que o acordo pudesse ser homologado nesta terça ou na quarta-feira. Os fatos narrados por ele devem ser usados na segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.

Simeone tem um novo contrato com o Atlético de Madrid
O clube espanhol fez o anúncio oficial do acerto na manhã desta terça-feira, através de suas redes sociais. Simeone chegou ao Atlético de Madrid em 23 de dezembro de 2011 para substituir Gregorio Manzano.

Brasileirão: Grêmio goleia Sport Recife e diminui distância para Corinthians
O reencontro com Vanderlei Luxemburgo se desenhava difícil, visto que o time pernambucano faz boa campanha na competição. Abriu a porteira na Arena! O primeiro, de Edilson , foi aos 19 do primeiro tempo, numa bomba, em cobrança de falta.

O presidentes sul-coreano pediu que a Rússia apoie sanções mais fortes, entre elas o corte no envio de petróleo, mas Putin mostrou preocupação com os prejuízos trazidos nesse caso à população norte-coreana, segundo Yoon Young-chan, porta-voz de Moon.

Em sua conta no Twitter, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que vai permitir a venda de uma grande quantidade de "equipamentos militares sofisticados" ao Japão e à Coreia do Sul, aliados norte-americanos que estão geograficamente perto da Coreia do Norte.

"Os Estados Unidos continuarão a receber mais pacotes de presente do meu país enquanto continuarem recorrendo a provocações imprudentes e tentativas fúteis de colocar pressão na Coreia do Norte", disse, segundo a Reuters.

No domingo, a Coreia do Norte gerou alerta mundial ao detonar o que descreveu como uma bomba de hidrogênio, projetada para ser incorporada em mísseis de longo alcance, o que se seguiu a indícios de que Pyongyang estaria preparando o lançamento de um novo míssil.

A detonação nuclear realizada pela Coreia do Norte gerou um sismo artificial de magnitude superior a 6 na escala de Ritcher, que minutos depois foi seguido por outro de menor intensidade, de cerca de 4.

Related news