Manifestação contra o terrorismo reúne meio milhão de pessoas em Barcelona

Manifestação contra o terrorismo reúne meio milhão de pessoas em Barcelona

Manifestação contra o terrorismo reúne meio milhão de pessoas em Barcelona

A notícia avançada pelo El País e pelo El Mundo detalhou que a mulher estava em estado crítico no Hospital do Mar em Barcelona.

Há 24 pessoas hospitalizadas devido aos atentados: 20 passaram pelo ataque nas Ramblas e quatro, pelo de Cambrils.

Espanha foi alvo na semana passada de dois ataques terroristas, em Barcelona e em Cambrils, na Catalunha, que fizeram 16 mortos e 125 feridos. Cinco desses feridos permanecem em estado crítico. A facção terrorista Estado Islâmico assumiu a autoria em um comunicado divulgado na agência de notícias da milícia. Dos quatro detidos, dois foram libertados condicionalmente e outros dois estão detidos sem fiança.

O rei da Espanha, Felipe VI, esteve presente no ato, acompanhado do presidente do governo da Espanha, Mariano Rajoy, do presidente da região da Catalunha, Carles Puigdemont, e da prefeita de Barcelona, Ada Colau.

"Não acho que conseguia fazer melhor prova" — Teresa Portela
Cedo se percebeu que as medalhas seriam distribuídas entre Fernando Pimenta, o checo Josef Dostál e o alemão Tom Liebscher. A final disputa-se na manhã de sábado.

EUA dizem na ONU que não permitirão avanço da Venezuela para "ditadura"
Esta decisão surge na sequência da imposição, pelo regime do Presidente venezuelano, da Assembleia Constituinte - com delegados definidos pelo regime, que foi a votos no fim de Julho e suplantou os poderes da assembleia que já existia e tinha delegados que faziam oposição a Maduro.

Lúcio Funaro deixa presídio da Papuda e volta para superintendência da PF
De maio a junho deste ano, foram dezessete contatos telefônicos em dezenove dias. A suposta pressão foi confirmada pelo casal em depoimentos aos procuradores.

A manifestação terminou na Praça da Catalunha, com uma ação que durou cerca de 10 minutos e durante a qual se ouviu música de Pau Casals e foram lidos textos de Frederico García Lorca e de Josep Maria de Sagarra.

A manifestação, que começou por volta das 18h locais (13h em Brasília), foi convocada pela Câmara Municipal de Barcelona e pelo governo regional da Catalunha.

No entanto, nenhuma autoridade esteve em destaque, pois os organizadores da marcha decidiram que os membros das forças de segurança, dos serviços de emergências e entidades sociais e profissionais ficariam à frente levando o cartaz com o lema em catalão "Não tinc por" ("Não tenho medo").

Related news