Fachin promete celeridade no inquérito contra Temer e o quadrilhão do PMDB

Fachin promete celeridade no inquérito contra Temer e o quadrilhão do PMDB

Fachin promete celeridade no inquérito contra Temer e o quadrilhão do PMDB

A falta da permissão da Câmara dos Deputados para o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar a denúncia apresentada contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva não impede o seguimento do caso em relação ao ex-assessor dele também denunciado, Rodrigo Rocha Loures.

Eles também querem que, em vez do parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que recomenda a rejeição da denúncia, seja submetida à votação pelo plenário a própria denúncia de Janot.

A sessão se iniciou às 9h desta quarta.

Os deputados Glauber Braga (PSOL-RJ), Alessandro Molon (Rede-RJ), Carlos Zarattini (PT-SP) e Alice Portugal (PCdoB-BA), argumentam no pedido que as duas manifestações orais previstas na sessão - a do relator, deputado Paulo Aci-Ackel (PSDB-MG) e do advogado de Temer, Antonio Claudio Mariz de Oliveira - eram favoráveis ao presidente, sem espaço para a acusação. Dessa forma, os deputados pedem que seja assegurado "em qualquer caso, o mesmo tempo de fala previsto para o relator do parecer vencedor e para a defesa do presidente Michel Temer", de forma a garantir a igualdade entre as partes e o contraditório entre acusação e defesa, nos termos do artigo 5º, inciso LV, da Constituição.

Câmara dos Deputados decide futuro de Temer nesta quarta
O PSDB deve orientar os deputados do partido a votarem a favor da aceitação da denúncia contra o presidente Michel Temer. Ele repetiu que não vê elementos necessários na denúncia para que o presidente possa virar réu e seja afastado do cargo.

É oficial. EUA confirmam saída do Acordo de Paris à ONU
Apesar desta missiva, o secretário-geral da ONU, António Guterres, garante à BBC que Washington vai continuar a negociar o Acordo de Paris.

Documental de la televisión británica revelará confesiones sexuales de Lady Di
Los familiares insisten en que el material es privado y que les pertenece a ellos. Tras una larga batalla en la justicia, los videos fueron entregados a Settelen.

"Ora, mas é claro que há um autor da peça acusatória contra o Presidente da República, da qual se cuida aqui: o Procurador-Geral da República, afirmam os deputados de oposição no mandado de segurança".

O mandado de segurança foi distribuído para a relatoria da ministra Rosa Weber.

Se a Câmara não admitir a denúncia, o que acontece?

A denúncia contra Temer será retomada quando Temer deixar a Presidência, em 31 de dezembro de 2018, momento em já não será mais necessária autorização de um órgão externo, como a Câmara dos Deputados, para que o Judiciário acolha a denúncia e abra o processo.

Related news